segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Abandono de animais é questão de sáude pública!

A quantidade animais abandonados nas ruas é problema de saúde pública que ainda não sensibiliza a sociedade e as autoridades na busca de uma solução efetiva. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam, em países pobres e emergentes como o Brasil, a proporção de 15 filhotes de cães e 45 de gatos para cada bebê nascido.


No caso dos gatinhos, a reprodução sem controle torna-se mais grave diante da frequência dos períodos de cio. De acordo com a médica veterinária Ticiana Franco, pós-doutoranda em Reprodução Animal da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (Favet-Uece), o clima quente favorece o cio das gatas. "Nas nossas condições climáticas de luz contínua o ano inteiro, este ciclo estral se repete a cada 21 dias", afirma. A médica explica que a o cio das gatas dura de quatro a cinco dias, período em que a fêmea aceita a cópula dos machos. A fertilidade da espécie é grande e a fêmea poderá parir ninhada média com seis filhotes a cada dois a três meses.


A presidente da União Internacional Protetora dos Animais (Uipa), Geuza Leitão, não tem dúvidas. "Por mês, milhares de gatos são jogados nas ruas".A omissão diante do problema expõe os animais e os próprios seres humanos a algumas zoonoses. Ticiana explica que, além das verminoses, doenças fúngicas simples, sarna e a raiva, já passadas também pelos cães, os gatos podem transmitir, quando infectados, a esporotricose, a criptocose e a toxoplasmose. "Gatos abandonados nas ruas ou que são domiciliados, mas têm acesso à rua, possuem maior probabilidade de estarem infectados com qualquer uma destas doenças", adverte.

Na sua avaliação, há solução para o problema, ainda que de longo prazo. No entanto, para que as ações sejam viáveis é necessário um envolvimento sério e contínuo da sociedade e dos governos municipal, estadual e federal, por meio de seus órgãos públicos. Ela aponta não haver uma solução única, mas um conjunto de medidas, tais como um amplo programa de recolhimento de animais para abrigos públicos, com recuperação do estado clínico dos mesmos, já que a maioria apresenta as mais diferentes doenças. A medida deve ser acompanhada pela castração em massa com a doação e acompanhamento do animal no novo lar.

Nesse início de ano tivemos muitos abandonos de gatinhos no nosso sitio, o que agravou nossa situação já que os gatis estavam com lotação praticamente esgotada. Apesar disso não nos negamos a acolher esses peludinhos e tentamos dentro do possível (as vezes até do impossível) dar uma vida digna a eles. A construção de novos gatis está quase virando uma realidade, através do site da Vaquinha (site que leva para a Internet uma prática comum no dia-a-dia das pessoas: a vaquinha) conseguimos captar 2/3 do valor necessário. As contribuições podem ser feitas até o dia 13/04 e o mais legal é que pode ser feito com cartão de credito através do Pagseguro, considerado uma das formas de pagamento mais seguras na internet. Colabore com a 101 e faça a diferença na vida de um peludinho!

FONTE: DIARIO DO NORDESTE

Um comentário:

alegriadeviver.blogspot.com.br disse...

Olá, vi seu blog e vim te visitar. Na cidade onde moro atualmente, e no meu setor, todos os dias aparece um gato diferente, adotei uma gatinha, e hoje mantenho em casa 04 que jogaram na rua, e até curei a sarna de alguns com o famoso "Tiuran", mensalmente compro um saco de ração para os gatos da rua.
Seria de bom grado que essa cambada de vereadores que nÃo legislam nada em favor da população , muito menos dos nossos irmãos franciscanos (os animais) que eles criassem uma lei para punir quem abandona um animal de estimação, que sofressem a mesma pena para quem os maltrata, pois o
abandono e uma crueldade.

Parabéns pelo blog.

Abraços
Diná